segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Obediente

"A obediência - atesta um superior do Servo de Deus - está entre as virtudes que mais se destacaram no Pe. Rodolfo. Atendia prontamente todas as decisões dos superiores. Ocupava o tempo com absoluto escrúpulo. E o que é mais notável, não recusava incumbência que lhe fosse confiada, por mais difícil que pudesse parecer".

Quando o superior queria dizer-lhe alguma coisa, se estava sentado punha-se imediatamente de pé. Pela manhã pedia-lhe a bênção, pondo-se à sua disposição para o que fosse preciso. Nas coisas difícieis, que aos outros nãio agradavam, o Pe. Rodolfo era o homem providencial.

No colóquio com o superior tinha a simplicidade de uma criança ao expor as vicíssitudes da sua vida espiritual. Atitude que comovia o superior.

A sua última palavra quando lhe pediam algum serviço era: "Obedeço". E obedecia também aos iguais, e aos inferiores... 

Era, como vimos, um apóstolo da confissão. Certa vez, todavia, enorme fila alongava-se diante de seu confessionário. Pe. Rodolfo atendia a todos com encantadora bondade. Foi quando recebeu um aviso de que o superior o chamava. Largou incontinênti o confessionário.

Era frugal o comer. Mas quando o superior lhe observou que estava magro demais e que devia comer, acrescentando que queria ser obedecido, passou a comer mais.

Quando estava à mesa, tinham todos o cuidado de não o chamá-lo para uma confissão ou outro serviço qualquer, pois largava tudo no mesmo instante. Um caso apenas, que revela seu espírito de serviço, amor a penitência e sua obediência pronta:

Foi uma vez, em Lavrinhas-SP, chamado de manhã para levar o viático a um doente na serra da Mantiqueira. Assim que terminou as confissões dos aspirantes, saiu em absoluto jejum e pês-se a caminho. A pé, como sempre, chapéu na mão, tirando o cavalo pelas rédeas. Por volta das 14h regressou ao colégio e encontrou um Irmão da comunidade substituindo-o na aula. Abraçou-o, agradeceu e continuou sossegadamente a aula até o fim. À hora da merenda (café simples sem pão: era sexta-feira...) recusou o almoço que havia sido guardado para ele. E estava sorvendo o café puro quando chegou o diretor: "Não, Pe. Rodolfo. Almoçe!" - Sem dizer uma palavra, afastou-se a xícara e pôs-se a almoçar calmamente.

Texto de Pe. Fausto Santa Catarina

Nenhum comentário:

Postar um comentário