sábado, 1 de setembro de 2012

Primeiro sábado do mês

Hoje tem Missa na Capela Relicário Pe. Rodolfo Komórek às 19h.


A Santa Missa na Forma Extraordinário do Rito Romano, também chamada de Missa Tridentina, na Diocese de São José dos Campos teve a bênção de Dom Moacir Silva e acontece todos os domingos e dias santos de guarda na Capela N. Sra. de Fátima (São João) em Jacareí-SP, e também no primeiro sábado de cada mês na Capela Relicário Pe. Rodolfo Komórek. Há pequenos livros para os fiéis acompanharem a celebração. E também há oportunidade de confissões antes e após a Missa.

 “A Forma extraordinária da celebração da Santa Missa, não é um modo discordante ou de desunião entre os católicos, mas ela vem realçar e ajudar para que os fieis possam cada vez mais e melhor se compenetrar no grande valor que é a Santa Missa. Não há nada, nenhum louvor mais sublime, nenhum modo de agradecer a Deus que possa se comparar a Santa Missa” – Disse Pe. José Henrique, sacerdote designado para a celebração da missa na forma extraordinária.

Ilustração do Venerável Pe. Rodolfo celebrando a Missa

Um Pouco de sua História 

A Missa Católica é a mais perfeita representação do irrevogável ato de salvação do Nosso Senhor Jesus Cristo, Seu sacrifício na Cruz. Cada Missa deve manifestar perfeitamente essa doutrina católica através de suas orações e rituais. A liturgia deve honrar e glorificar a Deus, expiar os homens de seus pecados, e agradecer a Deus pelas graças que Ele concedeu ao mundo.

Porque a Missa é as vezes chamada de Missa “Tridentina”?

“Tridentino” se refere ao Concílio de Trento (1545-1563), que unificou a prática litúrgica na Igreja Ocidental. O Papa São Pio V alcançou esta meta em 1570 quando emitiu a restauração do Missal Romano após o Concilio. A Missa Tridentina foi baseada nas mais antigas e veneráveis fontes litúrgicas Ocidentais. São Pio V decretou na Bula Papal conhecida como “Quo Primum” que seu único rito de Missa fosse usado por todos na Santa Igreja. No entanto, exceções foram feitas para os ritos que tinham estado em uso contínuo por pelo menos 200 anos. 

 
Por que o Latim?

O latim continua sendo a língua oficial da Igreja Católica Romana e tem sido usado como a língua litúrgica no Ocidente desde o século III. A natureza imutável do latim tem conservado a doutrina ortodoxa da Missa, que nos foi herdada dos pais da Santa Igreja. O uso do latim na Missa e em documentos oficiais da Igreja tem sido fundamental em apoiar a universalidade e unidade da Igreja. O papa Bento XVI indicou o uso de latim e o canto Gregoriano na liturgia na sua Exortação Papal de 2007 sobre a Eucaristia “Sacramentum Caritatis”. Embora a Missa Tradicional seja dita ou cantada em latim, a maioria dos fiéis que participam na liturgia usam seus próprios livros (missais), que contém o texto em latim acompanhado por sua tradução no vernáculo. As regras que explicam como tal participação deve ocorrer estão na encíclica “Mediador Dei” do Papa São Pio XII, par. 106. 

O que esperar da Missa Tradicional?

A princípio, a formalidade e o elaborado rito da Missa Tradicional pode nos parecer um pouco desconhecido. Há uma atmosfera de oração e reverência entre as pessoas nos bancos. Antes da Missa, o silêncio é mantido na igreja demonstrando o respeito à Presença Real de Jesus no Santíssimo Sacramento, que é reservado no tabernáculo no centro do altar. Para criar um espaço sagrado, o altar é separado do corpo principal da igreja por uma barra, que indica o local aonde os fiéis se ajoelham para receber a comunhão, somente na língua. O crucifixo acima do altar relembra o fiel que o Sacrifício da Cruz e o Sacrifício da Missa são os mesmos. As seis velas acessas no altar simbolizam Cristo como a luz do mundo. O sacerdote e a congregação juntos ficam de frente para o tabernáculo e o altar aonde o Sacrifício Sagrado é oferecido. O altar normalmente é colocado na direção oriental da igreja, na direção do sol nascente, simbolizando Cristo Ressuscitado. A comunhão é dada sob uma única espécie, com as palavras "o Corpo de Nosso Senhor Jesus Cristo guarde tua alma para a vida eterna. Amém." O sacerdote diz a oração completa. Há duas formas principais de Missa, Solene (cantada), e rezada. Uma Missa rezada é uma que é simplesmente recitada pelo sacerdote; é menos cerimonial que uma Missa solene. Uma Missa solene é cantada usando várias formas do canto Gregoriano ou polifônico. E o incenso é usado somente na Missa solene. 

Motu Proprio "Summorum Pontificum" do Papa Bento XVI sobre o uso do Missal anterior à Reforma Litúrgica de 1970.

Sempre foi preocupação dos Sumos Pontífices até o tempo presente, que a Igreja de Cristo ofereça um culto digno à Divina Majestade "para louvor e glória de seu nome" e "para nosso bem e o de toda sua Santa Igreja".  

No dia 7 de Julho de 2007, Sua Santidade o Papa Bento XVI publicou uma carta apostólica chamada “Summorum Pontificum. Nesta carta ele declarou que o antigo rito nunca foi revogado, e que "deve ser honrado pelo seu venerável e antigo uso." (SP Art. 1) O Santo Padre nomeou esse rito antigo de Forma Extraordinária do Rito Romano. De fato o Papa diz, "Na história da liturgia existe crescimento e progresso, mas nenhuma ruptura." Aquilo que para as gerações anteriores era sagrado, permanece sagrado e grande também para nós" (Carta explicativa acompanhada ao “Summorum Pontificum) O mais visível aspecto da forma Extraordinária é a própria Santa Missa. A forma antiga da missa tem sido chamada de "A mais bela coisa deste lado do mundo."

Nenhum comentário:

Postar um comentário